Barreiras Bahia - Fotos, videos e notícias.

Barreiras Bahia - Fotos, videos e notícias.

 

Texto de Eduardo Lena

 

Vai ser lançado no próximo dia 23 de abril, às 19h30, no Palácio das Artes, em Barreiras, o livro ‘Barreiras conta sua história’.

 

De autoria de Prisilina Ribeiro Fidelis de Carvalho, com ilustrações de Rosalia Maria dos Santos Cunha, o livro foi elaborado a partir de pesquisas realizadas pelos alunos da 5ª série do Grupo Escolar Dr. José da Costa Borges, do 1º Ano Normal do Ginásio Padre Vieira e da 4ª série da Escolinha Casinha Feliz, na década de 50 e que tinha por objetivo ser adotado nas classes de 1ª e 2ª séries primárias da época.

 

Mas para falar um pouco sobre essa obra é preciso voltar no tempo, início do século passado. Nascida em 22 de setembro de 1923, em Santa Rita de Cássia, município da região Oeste da Bahia, Prisilina, ainda jovem, mudou-se para a cidade de Barra, importante centro cultural, educacional e econômico da época onde se formou como professora primária no Colégio Santa Eufrázia, de propriedade das Irmãs da Imaculada Conceição.

 

Ainda jovem, como professora recém formada, foi aprimorar seus conhecimentos numa escola existente em uma fazenda de Barra, na localidade de Curralinho.

 

Casada com Anízio Lopes de Carvalho, professora Prisilina, como é mais conhecida, mudou-se em 1947 para Barreiras, acompanhando o marido, então radiotelegrafista dos Correios e Telégrafos, que acabara de ser transferido para assumir a gerência da empresa na cidade.

 

Com o cargo de professora na Escola Costa Borges e posteriormente no Ginásio Padre Vieira - período que o barreirense Antonio Balbino de Carvalho Filho foi governador do Estado -, Prisilina disse que enfrentou vários desafios, entre eles um que ela faz questão de lembrar e que acabou originando a referida obra. “Entre as matérias que deveriam ser ministradas por ela nas escolas estavam as de história e geografia da Bahia e consequentemente a de Barreiras. Como era novata na cidade e não tinha conhecimento sobre o passado município, pedi aos alunos desses educandários que elaborassem pesquisas sobre o assunto. Com essas pesquisas em mãos, percebi que para serem melhores assimiladas por outras crianças, deveriam ser transformadas em forma de pequenos contos infantis e poesias, como se Barreiras se transformasse numa personagem e falasse dela mesmo, de suas curiosidades, tradições e cultura”, disse Prisilina.

 

Só que essa coletânea de textos e poesias não chegaram a ser utilizados nas escolas e nem se transformaram em livro didático como sonhava a professora, ficaram apenas no papel, no desejo e na memória da autora. Apenas agora, passados mais de 50 anos, que a pedagoga, Especialista em Tecnologia em Educação, Darly Batista de Souza Moreno, vizinha da professora Prisilina teve acesso a esse material e resolveu publicá-lo com o apoio de um parente que possui uma gráfica em Brasília.

 

No prefácio do livro, escrito pela pedagoga Darly Moreno, consta o sonho que a autora tinha em publicar um livro didático, criativo e envolvente, no qual o leitor pudesse mergulhar na história dessa próspera cidade do Oeste baiano e como a educadora desejava veemente que cada exemplar fizesse parte da vivência pedagógica das escolas públicas, como instrumento lúdico, com o qual as crianças e adolescentes pudessem aprender prazerosamente e descobrir os encantos que subjazem no enredo da história de Barreiras.

 

Segundo a autora, o livro está dividido em quatro partes. Na primeira, denominada ‘Quem sou’, os textos foram elaborados na primeira pessoa, como se a própria cidade estivesse contando sua história.

 

‘Minhas tradições’, é o tema da parte dois. Nela, a autora enfoca as passagens do alargamento histórico e político de Barreiras e resgata também antigas tradições através das cantigas de rodas, o trabalho das rezadeiras, as festas carnavalescas, o Nazaro, entre outras.

 

Na parte seguinte, ‘Barreiras – Viveiro de Inteligência’, a escritora reverencia os poetas e poetisas barreirenses.

 

Na quarta e última parte, Prisilina encerra a obra com o tema ‘As Interfaces de uma Mestra’, no qual pais e ex-alunos que fizeram parte da história dessa cidadã mostram seus pontos de vistas e falam sobre os momentos que mantiveram contatos com a educadora e marcaram suas vidas, como é o relato da ex-aluna Ida Rabello Coité Leite. “Quantas saudades, quantas recordações quando me lembro do tempo feliz em que fui aluna da querida professora Prisilina no Grupo Escolar Dr. Costa Borges, do ano de 1948 a 1954. Quantos conhecimentos adquiri para a minha vida futura. Lembro-me que, nas festas juninas e final de ano letivo ela preparava as dramatizações. Como eu era feliz, nessas peças eu estava sempre presente. Obrigada mestra amiga, você ficou no pé da escada fazendo os seus ex-alunos subirem os degraus. Quantos deles estão sendo ótimos profissionais como médicos, juízes de direito, promotores, professores, entre outros......”.

 

Durante a entrevista concedida a este repórter, Professora Prisilina fez questão que constasse na matéria de que o livro não tem fins lucrativos e que os recursos adquiridos com a venda de exemplares serão doados, na sua integralidade, ao Abrigo dos Velhos da Cidade de Barreiras.

 

Fonte: http://www.jornalnovafronteira.com.br/?p=MConteudo&i=836

 

Por Jaíra Mariani

 

O Departamento de Esportes, do Governo Cidade Mãe, realizou no último sábado, 20, o I Campeonato de Futebol Feminino de Barreiras no Estádio Municipal Geraldão.

Esta é uma novidade para as mulheres que participam do futebol amador. “Após os 40 anos do Geraldão, essa é a primeira vez que temos um campeonato feminino aqui, nós do Governo Cidade Mãe estamos juntos no incentivo e apoio ao esporte no município”. Comentou a Prefeita Jusmari Oliveira.

Durante todo o dia de sábado oito times dos diversos bairros da cidade disputaram o torneio (União, Boa Sorte, Tatu, Barreiras Sul, Baraúna, Flamenguinho, 100% Primos e Uziminas).

O Uziminas foi o vencedor e recebeu como premiação um troféu, uma bola e um ponto na tabela da I Copa de futebol feminino que se realizará a partir do próximo sábado, 27.

 

Fonte: http://barreiras.hpdesign.com.br/index.php?id=ler_noticia&id_editoria=34&id_noticia=500

 

A Cadeia Pública de Salvador, inaugurada nesta quinta-feira (25), tem 752 vagas para os que estão custodiados em delegacias. A transferência dos detentos para a unidade, que fica no Complexo da Mata Escura, começa em dez dias e vai acabar com a superlotação das delegacias de Salvador e região metropolitana.

 

Segundo o governador Jaques Wagner, a inauguração faz parte do trabalho de recuperação do sistema prisional baiano, que até o fim do ano deve ser ampliado em 2,5 mil vagas. “Batemos um recorde. Em seis meses criamos 752 vagas, o que consegue desafogar todas as delegacias de Salvador. Aqui do lado, já estamos terraplanando o terreno para fazer um presídio de jovens e adultos e mais um feminino”, afirmou.

 

Ele disse que este é o resultado de um trabalho de planejamento que começou a ser feito e não vai ser interrompido, para evitar a histórica superlotação. A obra de construção teve um investimento de R$ 34 milhões – 90% do governo federal e 10% de contrapartida do governo da Bahia.

 

A cadeia foi feita com monoblocos de concreto de alta resistência, o que garante agilidade na construção e segurança na custódia. Ela vai ter um sistema inovador de operação, onde os presos não têm contato com os agentes penitenciários.

 

“Os agentes ficam numa área superior e os internos numa área inferior. Desta parte mais alta, os agentes têm todo o controle de abertura e fechamento de portas, água, iluminação, acesso à vistoria das celas e dos internos, além de verificar todo o ambiente da unidade. O contato não existe, reduzindo o risco de motins”, explicou o superintendente de Assuntos Penais da Secretaria da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos, Isidoro Orge.

 

Construção e reforma de presídios

 

Em seis regiões do estado, a Secretaria da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos está construindo e reformando presídios. Esta semana, além da Cadeia Pública de Salvador, foi inaugurada a ampliação do Presídio Regional de Paulo Afonso, com 84 novas vagas. Em Eunápolis e Vitória da Conquista, estão sendo construídos presídios com capacidade para 466 internos, cada um. Em Barreiras são mais 466 vagas.

 

A reforma do Complexo Penal de Feira de Santana está em fase de licitação e vai criar 600 vagas, além de 421 na Unidade de Jovens e Adultos e na nova Unidade Feminina, que estão sendo construídas em Salvador. O secretário da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos, Nelson Pellegrino, declarou que a obra em Eunápolis está quase pronta. “Vamos concluir esta obra no primeiro semestre. Em Vitória da Conquista, a previsão é o fim do ano. Em Barreiras, deve ser utilizada a mesma técnica da Cadeia Pública de Salvador, o que permite terminarmos em oito meses, e as outras unidades da capital estão em fase de terraplanagem do terreno”, explicou.

 

 

Fonte: http://www.jornalfeirahoje.com.br/materia.asp?id=16475