Fotógrafo Napoleão de Mattos Macedo

O grande fotógrafo Napoleão de Mattos Macedo homenageava seu único filho e da esposa, D. Zilda, NAPOLEÃO AUSTREGÉSILO DE MACEDO, o Napoleãozinho, fotografando-o e fazendo belas montagens, como na primeira foto, em que, com sua habilidade, coloca três retratos do filho em torno da mesma mesa, na primeira foto; Napoleãozinho já adulto e outra, descendo de um avião da Panair do Brasil, na vinda para casa, de férias, quando estudava no Rio de Janeiro.

Note a diferença dos trajes e das posturas do filho único, multiplicado pelo pai em três belos jovens. Precisaríamos de um psicólogo para explicar-nos essa arte fotográfica que transforma um filho em três! (FOTO REPRODUÇÃO)
Note a diferença dos trajes e das posturas do filho único, multiplicado pelo pai em três belos jovens. Precisaríamos de um psicólogo para explicar-nos essa arte fotográfica que transforma um filho em três! (FOTO REPRODUÇÃO)

O filho de Napoleão e D. Zilda chamou-se Napoleão Austregésilo de Macedo, pois o pai pretendia homenagear alguém a quem admirava, com o Austregésilo. Como era filho único, o pai, com sua extraordinária habilidade fotográfica, criava experimentos com sua fotografia, sendo um deles mutiplicaá-lo, sentado em torno de uma mesa, como se várias pessoas fosse... Fotografou-o sistematicamente, cobrindo todos os fatos e etapas da vida, inclusive em um momento em que descia a escada do avião da Panair do Brasil, vindo do Rio de Janeiro.

Napoleão Austregésilo de Macedo ainda adulto jovem. (FOTO REPRODUÇÃO)
Napoleão Austregésilo de Macedo ainda adulto jovem. (FOTO REPRODUÇÃO)


Também ele destacou-se na realização de fotografias geniais, principalmente fotos panorâmicas de Barreiras, quando não existia máquina fotográfica panorâmica. Foi também o fiel depositário da fotos e negativos de seu pai, especializando-se em reproduções fotográficas, quando isso era uma arte. Por isso temos tão significativas fotos realizadas ou reproduzidas por ele.

No aeoroporto de Barreiras, na década de 1940, Napoleão Austregésilo de Macedo é fotografado pelo pai, ao desembarcar do avião da Panair do Brasil, ao voltar do Rio de Janeiro. Com um volume na mão, o fascinante artista barreirense, MÁRIO CARDOSO, devido à sua polivalência, pois era violinista, artista plástico, como pintor e escultor e ainda cenógrafo teatral, criando os mais deslumbrantes cenários para as peças levadas à cena em Barreiras no Cine Teatro Vitória. ... Onde estão seus teatros, Barreiras? e seus cinemas? (FOTO REPRODUÇÃO)
No aeoroporto de Barreiras, na década de 1940, Napoleão Austregésilo de Macedo é fotografado pelo pai, ao desembarcar do avião da Panair do Brasil, ao voltar do Rio de Janeiro. Com um volume na mão, o fascinante artista barreirense, MÁRIO CARDOSO, devido à sua polivalência, pois era violinista, artista plástico, como pintor e escultor e ainda cenógrafo teatral, criando os mais deslumbrantes cenários para as peças levadas à cena em Barreiras no Cine Teatro Vitória. ... Onde estão seus teatros, Barreiras? e seus cinemas? (FOTO REPRODUÇÃO)


Também dedicava-se a pesquisar a história de Barreiras, tendo um riquíssimo arquivo, em que guardava seus achados históricos que tanto esclarecem a história de Barreiras. Morreu, porém, rapidamente, antes de concluir o seu livro. Que historiador barreirense poderá finalizar essa obra tão importante para nós?

Texto de Ignez Pitta